Realizar trabalhos de arte a base das experiências existenciais, como transpor as imensidões dolorosas das noites urinadas. Fingir figuras concebidas do desejo e da amargura. Instigações obscurecidas pela lua. Não acredito na pintura agradável. Há algum tempo meu trabalho é como um lugar em que não se pode viver. Uma pintura inóspita e ao mesmo tempo infectada de frinchas para deixar passar as forças e os ratos. Cada vez mais ermo, vou minando a mesma terra carregada de rastros e indícios ásperos dentro de mim, para que as imagens sejam vislumbradas não apenas como um invólucro remoto de tristezas, mas também como excrementos de nosso tempo. Voltar a ser criança ou para um hospital psiquiátrico, tanto faz se meu estômago dói. Ainda não matem os porcos. A pintura precisa estar escarpada no ponto mais afastado desse curral sinistro.

Nelson Magalhães Filho

sábado, 20 de junho de 2009

4 estudos para um perverso devaneio









Nelson Magalhães Filho. PERVERSO DEVANEIO, 2009. Acrílica s/ telas de 30X30 cm



3 comentários:

bat_trash disse...

Ja´estava com saudades daqui!

Luciano Fraga disse...

Buenas, esses estudos são foda, gostei demais, abraço.
P.S.
Zinaldo mandou as fotos de cHico Vermelho, vou enviar para você.

On The Rocks disse...

as pinturas estão do caralho!

e a noite do recital foi massa.

buenas!